Energias renováveis: alternativa para salvar o planeta

Começamos a semana, comemorando o Dia do Engenheiro Eletricista (23/11), data que nos remete a pensar sobre novas formas e desafios na geração de energia O Brasil é considerado o quinto maior investidor em energias renováveis do mundo, de acordo com um estudo feito pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2010, sobre os avanços […]

Placas Solares Ecoliving -Destaque

Começamos a semana, comemorando o Dia do Engenheiro Eletricista (23/11), data que nos remete a pensar sobre novas formas e desafios na geração de energia

O Brasil é considerado o quinto maior investidor em energias renováveis do mundo, de acordo com um estudo feito pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2010, sobre os avanços das energias alternativas. Segundo o levantamento, a parte substancial da expansão dessas fontes de energia está ocorrendo justamente em mercados emergentes. No total, os investimentos em energias limpas chegaram a US$ 211 bilhões, um salto importante em relação aos últimos anos. Em 2004, por exemplo, o mundo investia apenas US$ 33 bilhões.

A geração de energia por meio das hidrelétricas, e o crescimento do setor de biocombustíveis,  coloca o Brasil em uma boa posição. Mas, ainda deixa a desejar no uso de outras fontes renováveis – ou seja, aquelas que não se esgotam – como o sol e o vento. Segundo a ONU, o investimento em fontes alternativas de energia será a única solução para responder ao desafio de abastecer uma população cada vez maior, com demandas cada vez maiores por energia e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de CO2. Cerca de 89% do consumo de energia ainda vem de fontes fósseis.

Este conceito está cada vez mais presente no dia a dia do engenheiro eletricista, responsável por trazer às cidades as facilidades proporcionadas pela eletricidade. O consumo de energia é cada vez maior, especialmente em um país emergente como o Brasil, onde a classe  média está em expansão, e, junto com ela, o consumo.

Hoje, o País investe duas vezes mais em energia renovável do que os 53 países africanos juntos. Entre 2005 e 2010, a capacidade instalada de energia renovável no Brasil aumentou em 42%, uma das maiores altas do mundo. Contudo, é preciso acelerar. O Brasil ainda não figura entre os 10 maiores países produtores de energia solar, e, a energia eólica ainda tem produção fracionária perto dos países europeus. Um país tropical, com sol durante todo o ano, tem muito espaço para crescer e se tornar um exemplo, indo muito além da meta estabelecida pelos organismos internacionais.

Aqui em Goiânia

Preocupada com os avanços de emissões globais de gases poluentes à atmosfera e principalmente com as alterações da temperatura do planeta, a Loft Construtora e Incorporadora projeta seus empreendimentos com o viés da sustentabilidade, buscando diminuir o aumento climático do planeta. A empresa passou por uma redefinição de postura e, a partir de então, passou a preconizar a construção de edifícios que dialogam com o meio ambiente. O Residencial Ecovillaggio Jardim Bela Vista possui 11 itens de sustentabilidade. Entre eles, o uso de energia solar: na entrada do empreendimento, foram implantados 02 postes solares, os quais iluminam o acesso ao residencial e a “iluminação vigia” da área comum do empreendimento funciona com o auxílio de placas fotovoltaicas, as quais captam e transformam a energia solar em energia elétrica.

São passos pequenos, mas que fazem toda a diferença. O desafio atual tanto dos engenheiros quanto da população é buscar mecanismos que possam combater o aumento da temperatura, requer um profundo repensar da forma como é gerada a energia. Desafio que, cada vez mais, passa a ser tecnológico, político, empresarial e comportamental. E o engenheiro eletricista terá papel fundamental nesse desafio, dispondo da oportunidade histórica de contribuir, como protagonista, no combate às emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa.

Comentários